2020

II -Segundo Ato

Aproveite a Leitura

  • O Policarpo

Yemanjá de Yorùbá do Firmamento ao Mar

Atualizado: Abr 29


Ô meu oceano,

terra, luz e ar,

sou também seu filho,

pele clara,

mas sou de Yorubá!


Me perdoe a distância,

o vento forte me levou de sua terra

para um longínquo mar!


Não há como negar,

velejo o mundo,

ando, voo e corro,

às vezes canso,

quase que morro!



E é tudo por saudade de voltar

ao início e ao fim

da última jornada,

antes de te olhar

em meios as águas

de todo o lugar.


Olho para o céu

e me pergunto,

por que esse azul não vira água,

por que seu silêncio não canta

a canção das ondas!


Noite negra, bela lua,

o azul do mundo,

braços abertos de seu filho

de encontro aos seus braços fundos.


Volte para perto de mim,

eu peço,

não quero sortilégio,

tão pouco privilégio,

só quero seu afago,

de leito eterno!


O mundo é tão igual,

tudo e tudo,

me tira desse mundo,

mas só quando bato na sua porta

tudo fica mudo!


Azul cintilante,

triunfo da vida,

seu marinho azul me alivia,

do medo da noite

e seu cruel açoite!


Verde limpo, límpido,

de vida e da vida,

da mata e das areias,

terra e rochas.


Eis que nos deu a vida,

eis que se fez o firmamento,

o início da vida,

do tempo e dos ventos!


Agradeço a esse dia,

que viajei ao mundo,

aos céus e ao fim do mundo,

mas pude te encontrar,

dar um saudoso abraço

de seu filho do mar!


Yemanjá, Yara, Maria,

Janaína, Ana, Rainha,

Mães das Mães,

dos ventres e do mar,

de nome Yorùbá,

todas as criadoras

de tudo o que há!


Sim, sei que sou filho do mar,

de pai sol e mãe luar,

no meu tempo,

volto a ti

minha rainha do mar!


YEMANJÁ DE YORÙBÁ DO FIRMAMENTO AO MAR

Policarpo Praxedes (2016)

CONTATO PARA ADAPTAÇÕES E LICENCIAMENTOS

Para parcerias, desenvolvimento de produtos ou adaptação do conteúdo aqui representado nos contate.

OTROPICAL@OUTLOOK.COM.BR