2020

II -Segundo Ato

Aproveite a Leitura

  • O Policarpo

As Bruxas dos Mares - Os Viajantes de Astúrias


As ondas quebram vagarosas sobre o banco de areia e sal. A noite está em seu ápice escuro, pouco antes do amanhecer; a embarcação de madeira talhada pelos mares descansa ainda amarinhado - em sua proa o nome do rei destes expedicionários - Príncipe de Astúrias! Em seus porões porções de ouro sem dono, quinquilharias, e outros valores, que só possuem valor a quem lhes creditasse valor.


O Capitão ordena:

- Vamos homens, antes que amanheça já teremos que ter armado nosso acampamento.

- Vamos homens!

Este porto não possui agradáveis companhias a viajantes cansados, tão pouco qualquer companhia, a não ser insetos, bestas silvestres, sapos, gafanhotos e feras acordadas na noite!


O criado-de-bordo empilhava gravetos para a primeira fogueira, enquanto o mestre coordenava a saída da tripulação com os bens necessários do navio, assim é, atracaram nesta noite, naquela baía.


Pedro um marujo então soa a Afonso, o marujo de olho esquerdo cansado:

- Esse lugar me dá medo, já rumei a leme livre sobre esse horizonte e lembro, há um casebre enfumaçado de mil cores nessa selva verde e densa!

Afonso olha com seu olho direito ao alto da muralha viva e se arrepia, o baú quase cai ao chão com os pertences do capitão do Príncipe de Astúrias!


- Homens, procurem comida!


Animais do mar, do ar ou da terra, não são facilmente capturados a essa hora. O criado Escobar audacioso e buscando uma promoção se engendra na mata, logo encontra uma árvore de frutos, um pessegueiro de furta-cor, sua mão vai ao alto, alguns pêssegos depois - um sutil toque em seu braço, uma cobra em sutileza entrelaça em Escobar, fazendo movimento lento - o seduz. Quando Escobar nota, recolhe seu braço, e a cobra soa seu chocalho, lhe dá um distante beijo com o trepidar de sua língua!


Olhos nos olhos, mas Escobar volta com seu cesto de costas - medroso ou amedrontado - foge da mata e da cobra! Logo Escobar solta o cesto na areia e diz a todos tomarem cuidado com os animais peçonhentos - enquanto as estacas cantam ao som da madeira e do metal, cordas esticadas e a âncora postada!

Em meio a fogueira, a tripulação bebe, se diverte, fala alto e canta. Canecas aos céus, e a súplica por mulheres boas ou sereias tolas! O capitão embebido em rum vacila, pois fica de costas ao mar - qual capitão dá suas costas ao mar?

Neste enquadramento uma Baleia hasteia ao alto em curva e lufa seu aos céus, um esguicho ao alto saindo do mar!

- Marujos, hoje vocês estão livres para o descanso, amanhã cedo iremos buscar todo tesouro que pudermos!

- Pois sim, capitão!

Enrijecidos imediatos fazem continência ao capitão, mesmo que todos estivessem embriagados! Enquanto os menos atentos comentavam:

- Pelo menos o cheiro que vem dessa mata é doce e bom!

E logo esses dois completam:

- Não vejo a hora de acordar e caçar um animal gordo, saboroso, de carne macia e tenra!

O cirurgião da embarcação passa com seu cantil vazio e diz:

- Cuidado vocês, ao tramar contra a vida e a mata, principalmente à noite, pois é sempre a mata que em todo tempo trama contra vocês!

A fogueira encolhe sobre o vento nesse momento, quase apaga sua chama com a sombra negra que passa.


O místico cirurgião pronto a continuar seus passos ainda ouve:

- Ei açougueiro, onde vai a essa hora com esse seu cantil vazio?

- Buscar água doce!

- Cuidado aí açougueiro, ouvi dizer que nessa selva moram duas irmãs que devoraram o próprio pai e adorariam devorar um homem gordo como você!

Outro marujo acrescenta mais crença a discussão, então fala em seu dialeto um tanto bárbaro como um tanto espanhol...

- Ouvi também dizer que elas já foram vistas nos mares glaciais do norte da terra!

Outros dizem:

- Pois são muitas histórias, elas já foram vistas no gélido fim do mundo Austral, e também nas matas da Ásia e da África!

- Deixem de bobagem, é uma lenda o paradeiro dessas irmãs!

- Todos sabem que quem as vê, jamais voltam a ver coisa alguma.

- Muito menos podem dizer para mais ninguém que as viram, todos que as vêm somem, e nem os ossos são encontrados, são jogados ao fundo do mar!

Completa assim o Timoneiro da embarcação!

O cirurgião investe sobre poucos metros na mata e encontra seu procurado riacho. Enche seu cantil, bebe um tanto dessa água - nessa terra, e outro tanto despeja no chão, ajoelha-se, faz sua prece noturna, e murmura em voz baixa.

- Deixo essa porção de água nessa terra, espero que em centenas de anos nasça aqui uma árvore!

- E eu voltarei para descansar em sua sombra, neste mesmo lugar. Quem sabe um dia!

No final de sua prece um som de galho denso amalha seus pés. Enquanto ele é arrastado não consegue gritar - no mesmo tempo sua língua é cortada. Uma força lhe agarrou por trás e pela frente, enquanto apenas a poeira levanta do chão seu corpo é puxado por um cavalo, e duas mulheres risonhas se divertem - risos que ecoam pela copa de cada árvore.


O timbre delas espantam até as aves adormecidas - em seus quartos de madeira, barro e mata. As irmãs Aurora o levam até o fúnebre covil, poções, loções, cheiros e cores, místicas formas e adornos! O caldeirão está em fervor como em uma sopa viva e verde!


O cirurgião não pode correr e gritar. Uma irmã Aurora é bela; toda a forma do amor, é a sábia dos cheiros e das poções, escraviza pelo amor, é rainha das águas. A outra irmã é rude, toma a forma dos animais, das feras e bestas, conhece os atalhos das do medo e reina sobre o vento. elas dominaram esse homem dessa forma - encanto e medo!

Antes de virar sopa seus olhos são retirados, elas riem e dizem:


- Para onde você vai não precisa ver nada, não há nada a ser visto no seu novo destino!